[Review] Has-Been Heroes

Review da versão de Nintendo Switch.

Uma dupla de heróis que já tiveram grandes batalhas. Uma ladra que está começando sua jornada de aventureira. O que eles têm em comum? Simples! Duas irmãs princesas que precisam ser levadas à escola. Pois é, não é só de glória que os guerreiros vivem, mas trabalho é trabalho, então precisa ser levado a sério, ou pelo menos tentar.

Has-Been Heroes começa com esta premissa, mas logo muda para uma jornada longa e cansativa de matar e morrer. Mesmo com o bom humor reinando tanto nos diálogos muito bem escritos quanto no estilo de arte lindamente executado, o game acaba se tornando mais uma obrigação, uma responsabilidade do que a pura diversão que ele tenta se propor. As primeiras horas de jogatina são complexas, não muito agradáveis para o jogador mais iniciante, e mesmo para aquele já familiarizado com games rogue-like (estilo de batalhas difíceis, labirintos e muitas recompensas), ainda assim dá um trabalhão entender tudo o que está rolando. Infelizmente, após mais de seis horas de jogatina, eu ainda estava tentando sacar os muitos detalhes enquanto morria após uma batalha desbalanceada ou vencia um combate fácil demais. A aventura tenta ficar neste meio-termo, mas nem sempre tem êxito.

Basicamente, Has-Been Heroes se foca em batalhas em tempo real usando os três protagonistas ao mesmo tempo enquanto os inimigos aos montes se deslocam da direita para a esquerda como um Plants Vs Zombies. Escolher com qual personagem atacar e em qual momento é o foco das lutas, usamos os botões do Switch para definir ataques e o direcional para definir quem usar. A estratégia surge na hora de decidir quem deixará os adversários tontos e quem dará o golpe final, parece simples, mas mesmo com a possibilidade de pausar o cenário, os inimigos se amontoam bem rápido, transformando em derrota o que parecia uma vitória fácil. Pode parecer que só estou resmungando da dificuldade, porém, o que desanima é o desbalanceamento, a falta de uma curva de aprendizado mais competente, e a sensação de que fomos derrotados por tudo menos a nossa habilidade ou pensamento rápido. A falta de variedade de inimigos também não é algo que consegui curtir, após muitas sessões de jogo, cansei de ver os esqueletos de sempre, mas com roupas diferentes. 

A parte divertida em Has-Been Heroes encontra-se principalmente na caracterização dos personagens, cada um dos protagonistas possui uma personalidade própria, algo que já vimos nos games da série Trine da mesma produtora. Cada um solta de vez em quando uma frase memorável que me fazia dar risadas, e até mesmo criar laços com os heróis. Algo que vejo rolar bem com games indies e espero que continue.

Nota final: 6/10