[Review] Blazing Chrome

Ser saudosista hoje em dia é extremamente popular. Muitos gostam de lembrar e ressaltar como tudo era diferente (e muitas vezes melhor) em uma época distante. Nos games isso é ainda mais forte com tantas comparações diárias a cada lançamento.

É claro que você já viu alguém comparando Blazing Chrome com a série Contra, porém isso não vai ocorrer neste texto. Esta análise será sobre o game da desenvolvedora brasileira JoyMasher e apenas isso. Então coloque o saudosismo de lado para o meu próprio bem.

A aventura cheia de ação em side-scrolling possui uma pegada carismática no run n’ gun. Temos, inicialmente, dois personagens para escolher: uma mulher estilosa e um tipo de robô fortão. Cada um com seu próprio estilo e característica, porém nada que destoe muito entre ambos. A partir daí, muitas das regras do gênero se aplicam: diversas armas diferentes, ataques corpo-a-corpo, enorme desafio, personagens extras para liberar. Blazing Chrome consegue oferecer o que lhe é exigido, mas também se destaca para ser o game do gênero de 2019.

Nada do que foi dito no parágrafo acima teria efeito sem uma jogabilidade pontual. Felizmente, o título consegue entregar o que lhe é esperado. Mesmo possuindo comandos simples: tiro, pulo, rasteira, o game o faz com uma maestria inabalável. É fácil realizar o movimento que queremos, quando acabamos morrendo, a sensação é que a culpa é unicamente nossa, talvez de um cálculo mal feito ou de uma pressão dos inimigos que atrapalhou nossos reflexos. O jogo jamais passa o sentimento de que foi injusto, algo importantíssimo no run n’ gun.

Outro destaque em Blazing Chrome são seus chefes. Cada batalha é diferente da anterior, exigindo uma nova estratégia por parte do jogador, o forçando a se reinventar a cada batalha e derrota. Meu preferido é um robô voador, gastei algumas boas tentativas para vencê-lo, e quando o fiz, é claro que rolou aquele soquinho no ar em comemoração. O mais bacaninha é que após finalizar o game, um modo de boss-rush é liberado, então a diversão continua por mais algumas horinhas. Mesmo achando que poderia ter mais fases, me senti satisfeito ao chegar a seu derradeiro final.

A história da aventura é legal, mas nada inovadora. Tudo bem, ela não precisa ser. Por outro lado sua trilha sonora é primorosa, com riffs de guitarra aos montes dando o tom necessário para empolgar. Obviamente me peguei várias vezes parado no início de algumas fases apenas curtindo as músicas. De verdade, fico muito feliz quando faço isso.

Blazing Chrome é sensacional. Simples assim. Poderíamos até discutir que é curto, porém seu alto nível de desafio vai obrigar o fã de speedrun a praticar algumas boas vezes para terminar o jogo rapidamente, e durante esse percurso, ele estará apaixonado pelo excelente trabalho da equipe da JoyMasher. Como eu disse: não precisa comparar esse game com nenhum outro por aí. Ele é maravilhoso por si só.

Nota final: 09/10