[Review] Castle of Heart

Lançado em março de 2018, como exclusivo para o Nintendo Switch, Castle of Heart dividiu opiniões, devido principalmente a seus problemas de desempenho, dificuldade muito elevada e uma jogabilidade nada precisa.

Pois bem! O estúdio polonês, 7Levels, ouviu tudo o que a comunidade vinha comentando sobre o jogo, e no fim do mesmo ano trouxe uma atualização adicionando e arrumando muita coisa. Quer saber como o jogo está agora e se vale a pena jogar? Vamos conferir como ficou!

Castle of Heart começa de maneira simples, exibindo rapidamente sua história:

Num castelo isolado numa montanha vivia um feiticeiro malvado e ganancioso que a cada novo passar de ano buscava mais lugares para amedrontar. Ele chegou a uma nova aldeia, onde rapidamente quis acabar com todos, até que você, um corajoso cavaleiro, resolveu partir pra cima do feiticeiro. Como resposta, o vilão lançou uma magia aos aldeões fazendo todos virarem pedra, inclusive você, apenas sua amada sobreviveu. Quando ela o vê ali, como uma pedra no chão, derrama sobre seu peito uma lágrima. O feiticeiro resolve raptá-la da aldeia. Mas mal sabia ele que, a lágrima derramada por sua amada, traria a vida de volta do jovem cavaleiro que agora parte pra vingança e em busca do seu amor raptado.

Castle of Heart é basicamente um jogo de ação plataforma, o clássico side-scrolling. De cara, graficamente o título já se destaca, foi dado um bom filtro de realismo aos ambientes e aos personagens, alguns efeitos de iluminação e texturas são bem interessantes e agradáveis. Como se trata de um exclusivo de Switch, é sempre bom dizer que o jogo se comporta muito bem, seja na dock ou portátil.

O som é uma faca de dois gumes, se por um lado os efeitos sonoros se cumprem bem, o som ambiente deixa a desejar bastante. Destaque também para o texto (pode ser jogado em português) que, na maioria, é sempre acompanhado por uma boa dublagem.

Contando com um total de 20 fases, separadas por 4 capítulos, os cenários tendem a cair em alguns clichês básicos do gênero: floresta, gelo, castelo, enfim…

Um ponto de destaque nos cenários, é que eles por diversas vezes trazem entradas secretas para o subterrâneo, interações com o personagem, e alguns desafios diferentes (subir mais rápido que um mar de chamas, por exemplo), ajudando a dar uma quebra ao comodismo no jogo. Dependendo da sua habilidade, pode se terminar todas as fases em menos de 10 horas. Próximo ao fim do jogo o peso da repetição começa a ficar evidente. Cada capítulo termina sempre com a clássica batalha de chefe, confesso que apenas um deles realmente me deu trabalho, apesar de serem legais, todos são bem simplistas e até óbvios.

O gameplay, alvo de muita crítica no lançamento do jogo, melhorou muito agora. Seu personagem, embora ainda pareça pesado, não parece mais “travadão” para quem o controla, ficou bem mais suave na tela, e sobretudo o jogo tinha um péssimo balanceamento, pois era bem difícil e seu armamento não era bem eficiente. No jogo você conta com uma espada como arma principal, e possui algumas armas secundárias (que vão desde uma besta até bombas), um menu abaixo facilita tudo para fazer a troca.

Na aventura, seu personagem ainda carrega a maldição do feiticeiro (aquela de virar pedra), portanto você terá ao longo de todas as fases a sua barra de vida diminuindo aos poucos, se chegar próximo ao fim, um dos seus braços vira pedra e cai, ou seja, você não terá mais acesso ao uso da arma secundária, por exemplo. Isso influi completamente no caminhar da partida, às vezes é melhor pensar bem se vale a pena enfrentar um inimigo ou tentar desviar e correr logo até o próximo checkpoint. É possível durante seu caminho coletar bolas de energia que ajudarão sempre você a se manter vivo.

Além disso, existe também as bolas azuis que vão preenchendo um círculo no seu menu de vida, e cada vez que ele se carrega totalmente sua barra de vida aumenta um pouco a capacidade. Existem também gemas coletáveis, cinco em cada estágio, mas infelizmente não te adicionam nada, fica no ar uma falta de incentivo para coletá-las.

Por fim, o jogo traz agora um tutorial para os iniciantes de primeira viagem, além do novo modo FÁCIL, para os jogadores que ainda venham a ter dificuldades em seguir a aventura.

Castle of Heart parece ter vindo ao mundo de forma prematura, com erros que infelizmente afastaram muita gente. Mas a 7Levels fez correções e moldou novamente seu jogo. Certamente recomendado para os amantes de um clássico jogo de plataforma. Vale a pena deixar naquela sua lista de desejos da eshop ou aguardar uma promoção.

Nota final: 7/10