[Review] Manifold Garden

Com a indústria dos jogos cada dia mais concorrida, seria possível desafiar a física e o infinito e trazer algo realmente inovador? Esta pergunta foi o estímulo de William Chyr nos últimos sete anos com o desenvolvimento de Manifold Garden, lançado na última semana para Windows PC e Apple Arcade.

Com inspirações nas obras de M.C. Escher, conhecido por suas criações em padrões isométricos, o jogo, a princípio, parece um quebra-cabeças simples, onde blocos devem ser posicionados em marcas das mesmas cores, abrindo as portas para o jogador seguir em frente, mas rapidamente as missões passam a exigir mais raciocínio lógico e cuidado. Através da manipulação da gravidade, as paredes se tornam novos pisos e outros blocos podem ser alcançados, cada um deles respeitando sua própria perspectiva, e cabe ao jogador descobrir como conectá-los a outros pontos do mapa dentro desta regra. Mais pra frente os mapas trazem elementos mais complexos como cachoeiras, árvores e infinitas estruturas a serem exploradas.

Não há um mapa, instruções, nada que nos guie além da própria intuição: em primeira pessoa com uma tranquila música ambiente, a intenção é a imersão total do jogador. Manifold Garden pode ser finalizado em cerca de 6 horas, o que parece pouco comparado ao tempo de produção, mas os fãs de arquitetura terão muito o que apreciar enquanto progridem na história.

Os familiarizados com a franquia Portal com certeza se sentirão em casa com a dificuldade dos puzzles – com a diferença, claro, que em Manifold como o próprio nome diz você está de fato construindo diversos jardins, então o jogo em dados momentos passa de grande vazio para edificações colossais em questões de segundos. Não é incomum se sentir perdido a cada alteração de cenário.

A sensação de infinitude vai além do visual: por exemplo, se você se jogar do mapa, ficará em queda livre infinitamente, parando apenas ao desviar o percurso até a construção mais próxima – inclusive, em alguns momentos de fato é necessário pular de plataformas; escadas parecem infinitas, e muitas vezes é impossível dizer se estamos subindo ou descendo.

Não há formas de morrer ou Game Over, o que pode levar o jogador a perder noção do tempo – você não sabe o que está procurando, mas a vontade de continuar e descobrir aonde tantas construções o estão levando não permite que o jogo se torne entediante. A espera valeu a pena? Com certeza, principalmente pelo desenvolvimento gráfico deslumbrante, uma digna homenagem às criações de Escher.

Manifold Garden está disponível para Windows PC (Epic Games Store) e Mac, iOS e tvOS (Apple Arcade), e futuramente será lançado também na Steam e PlayStation 4, com possibilidade de outras plataformas.

Nota Final: 9.5/10

*Análise feita com código cedido pela distribuidora