[REVIEW] CAT QUEST 2

Após terem lançado Cat Quest, em 2017, e de ganharem uma boa recepção com o jogo, a equipe da ‘The Gentlebros’ traz agora a esperada sequência do game.

“Havia uma arma poderosa conhecida como a Lâmina Real

Por muitos anos, os reinos dos gatos e dos cães se guerrearam por sua posse.

Até que a lâmina estilhaçou-se.

E o mundo nunca mais foi o mesmo…”

É com esse epílogo que Cat Quest 2 é apresentado aos jogadores. O mundo de paz de antes entre o Reino dos cães com o Reino dos gatos havia assim terminado, seus antigos líderes deixaram-se vencer pelo mal, por ganância e corrupção, e nunca mais se entenderam. Estamos agora no meio de uma guerra entre os dois reinos. Onde atualmente o reino dos gatos é liderado por Leoner, e o reino dos cães por Lupinen.

Entramos no jogo como sendo a única esperança de conseguir trazer a paz novamente, mas para isso a lâmina real deverá novamente ser reestruturada, somente ela destruirá todo o mal que iniciou a guerra dos reinos.

Apesar de todo esse tom mais sério dado ao enredo do jogo, Cat Quest 2 ainda se mantém fiel à suas origens, permanecendo como um RPG com aquelas pitadas cômicas durante o gameplay.

Logo de cara vemos a maior inovação adicionada a Cat Quest 2 frente a seu antecessor: o jogo agora tem como ideia principal de ser inteiro jogado em cooperativo entre dois personagens, o duo é feito por um gato e um cão, representando a amizade deles entre os dois reinos em guerra. O conceito todo do game será entre esses dois personagens controláveis, podendo então ser desde o início jogado em 2 players local, porém mesmo jogado em apenas 1 player, você também terá total controle dos dois heróis. Com apenas um toque de botão você muda seu controle para um ou outro, e enquanto estiver controlando um deles (o gato por exemplo), o outro é controlado automaticamente pelo CPU.

Essa mecânica fará você sempre pensar bem em como usufruir de equipamentos, no meu caso eu optei em deixar um deles equipado com armas de ataque próximo (espada, por exemplo) e o outro para ataques de média distância, conforme era a situação eu mudava de um para o outro. As batalhas em si não têm segredo, ao avistar um inimigo você já pode atacá-lo, esse por si, já estará mirando para a ofensiva. O jogador possui a habilidade de esquiva para escapar daqueles ataques surpresas, e a possibilidade de usar magias, sendo que essas consomem sua barra de mana, e para recuperá-la basta atacar mais inimigos. Se um aliado morrer na luta , você pode revivê-lo criando um circulo de cura sobre ele. No geral a jogabilidade é bem prática, e após o leve tutorial você já terá rápido domínio dos controles.

O ponto negativo é para a pouca variedade de inimigos, com pouco tempo você já sente a repetição deles. E, conforme veremos ao longo dessa análise, repetição é de forma geral, um dos pontos fracos da aventua.

Visualmente Cat Quest 2 é agradável, gráficos bem coloridos e animados, lindos num estilo cartoon, pequenas animações, detalhes de vegetações pelo mapa e interior de cavernas bem feitas, detalhes dos equipamentos que você usa aparecendo no visual de seu personagem pelo jogo, interfaces diretas, seja em diálogos ou menus. Enfim, nada espetacular, porém, cuidadosamente bem feito.

A parte sonora é boa, pena que também se repete muito, sempre que entrava em uma parte mais tensa da trama, eu já esperava a mesma música que tocou exatamente num ponto similar minutos atrás. Pelo menos a música que te acompanhará pelo maior tempo na exploração do mapa é animada e não tão enjoativa. Os efeitos sonoros são bacanas.

O jogo se passa por dois mapas quase que interligados, os já ditos, Reino dos gatos e Reino dos cães, a exploração por cada um começa bem limitada, e aos poucos você vai liberando novas formas de acesso, seja através das torres do Marco Real que se equivalem a atalhos por todo o mapa, ou até mesmo a uma exploração completa e livre ganhada num dado do jogo. Isso facilita também para você alcançar novas cavernas, palácios e dungeons, que estão espalhadas.

Além disso, por todo o mapa você poderá encontrar diversas sidequests, elas ficam marcadas por uma exclamação em azul, basta ir nelas, aceitar e pronto, o jogo já te direciona para alguma localização no mapa. Na grande maioria da vezes essas sidequest são bem rápidas de se concluir, algumas possuem até três ou mais sequências. Concluí-las será a forma mais rápida de você evoluir seus personagens e ganhar dinheiro. Falando em dinheiro, eles são usados para você melhorar seus equipamentos, armas e magias.

Uma pena que na maioria das vezes você fará algumas missões muito similares entre as demais, devo ter feito 90% delas, e foram poucas as sidequest que ousaram sair fora da curva, e que eu falei:  “-Ok, essa aqui sim foi uma missão bacana demais!”.

Uma opção interessante é o “Guardião dos Livros”, personagem que fica espalhado sempre próximo de alguma cidade no mapa, serve para você anular a quest atual que estiver fazendo (caso esteja tendo dificuldades), e voltar para o ponto de antes de aceitá-la fazer.

Vale o destaque para as legendas em português do jogo, muito bem localizada, não ficaram naquele automático de só traduzir tudo, colocaram algumas deixas que fizeram o texto ficar ótimo (e bem engraçado, em diversas situações), com isso nos deparamos com alguns nomes em trocadilhos como “Katioro Kent” (o ferreiro do Reino do cães) personagens que colocam “miau” e “au” para compor suas palavras, (“Isso foi miauvilhoso”, “Auteza”) , personagens que usam gírias, e até a ferreira do Reino dos gatos com forte sotaque de caipira… enfim, ponto positivo demais para a tradução desse jogo.  

Cat Quest 2 é um bom game, simples, mas bem divertido. Demorei 10 horas pra finalizar, mas isso porque eu quis fazer o máximo de missões secundárias que eu encontrava. Pois, a história principal é, no geral, bem fácil e curta. Creio que com a metade desse tempo você finaliza o jogo. Fui encontrar dificuldade mesmo explorando algumas cavernas no mapa (tinha uma com inimigos level 99!) ou sidequests.

O modo cooperativo funciona, mas ficou bem simples, se resume em usar os dois personagens para atacar sempre. Talvez se existissem maiores diferenças entre eles, isso seria mais atraentes, ou quem sabe, por exemplo, dungeons em que eu necessitasse de efetuar a troca entre eles para serem resolvidas.

Cat Quest 2 é recomendado para ter aquelas horinhas de diversão descompromissadas, se possível jogue com um amigo, irmão, filho, etc. A diversão assim se tornará melhor. O carisma e a fantasia de todo o reino e história da aventura fazem valer a pena ser jogado.

Notal final: 7/10

*análise feita com código cedido pela distribuidora