[REVIEW] SERIAL CLEANER

Ah! Os mafiosos, sempre eles, aqueles armados até os dentes, que de vez em quando se juntam para detonar um local, e sair correndo sem deixar pistas de quem eles são. Já imaginou você estar na pele de alguém contratado justamente para ter de ir nesses locais, limpar toda a sujeira de sangue, eliminar corpos e provas, a fim de limpar a barra desses criminosos? Por mais sangrento e pesado que isso pareça, a desenvolvedora iFun4All S.A. fez em Serial Cleaner isso ser extremamente divertido!

O jogo inicia no ano de 1972. Você está na pele de um personagem que será modestamente chamado pelos seus contratantes apenas de “faxineiro”. Sua situação financeira está difícil, ainda mora com a mãe e os gastos não estão dando conta. Talvez aceitar contratos de limpezas de gangsteres seja uma boa, né?

Em cada missão você recebe um novo telefonema na sua casa te direcionando para um serviço a ser feito (similar ao que vemos em Hotline Miami), uma nova conversa com a sua mãe, uma vista no noticiário, e partiu missão! Nada muito elaborado, é verdade,  mas é satisfatório saber aonde isso tudo vai te levar. O jogo é cheio de referências a época, preste atenção às noticias do rádio e jornais, com certeza algo vai te surpreender. O texto é recheado de um humor muito refinado, contando com legendas em português. Isso tudo deixa a história mais interessante de acompanhar, a curiosidade de saber quem são os responsáveis em te contratar vai te prender legal, mas isso não seria o bastante se o gameplay não fosse bom, né?

Aqui o gameplay funciona bem, na verdade é onde o jogo realmente reina. Sendo basicamente dominado pelo stealth, você precisa sabiamente se mover e se livrar de corpos, limpar sangues, e recolher itens que podem deixar pistas do crime. É uma jogabilidade fluída, deliciosa de jogar, e, além disso, se você for pego, o jogo já inicia rapidamente (tal qual Celeste), dando sempre aquele aviso interior de “Ok, mais uma, agora eu consigo passar!”

Parece simples, mas obviamente você não estará sozinho, policias estão sempre espalhadas nos locais, sempre com uma lanterna (e em níveis avançados usam até revólveres), eles correm de lá pra cá para encontrar algo. Existem objetos espalhados nos cenários que podem ser usados a seu favor para se esconder, alguns cenários você consegue liberar passagens e atalhos, e até ligar um som alto para distrair os guardinhas. Vale de tudo para limpar toda a cena e fugir na sua caranga sem ser visto.

Além disso existe o sensor de faxineiro, que será de grande ajuda, ele rapidamente abre o mapa e destaca os itens ou corpos que lhe falta no cenário.

Serial Cleaner possui um total de 20 fases, que passam de montanhas a circo e show de rock, os cenários possuem sempre um gráfico com cores em tons pastéis, sinceramente achei que isso deu um carisma a parte para o jogo, as músicas são outro destaque, embora o jogo tenha um forte peso na trilha jazzística, alguns estágios flertam entre o rock e pop.

Concluir as 20 fases é um desafio e tanto, se algumas fases são até simples nos desafios, há aquelas onde é necessário estudar bem cada passo que você dará, um erro… e a polícia não perdoa.

Ainda existem mais 10 fases desbloqueáveis, e essas são um charme a parte, muitas brincando com referências a filmes e cultura pop em geral. Não preciso lembrar que algumas aqui serão osso duro de roer. Como desbloqueáveis também há as roupas para seu personagem usar nas fases, quer se vestir com uma fantasia do Alex do filme laranja Mecânica? Então pronto!

Serial Cleaner está disponível para PC, X Box, PS4 e Nintendo Switch, a versão analisada foi a do Nintendo Switch, curioso dizer aqui que ao jogar no modo portátil do híbrido da Nintendo, tive uma experiência bem satisfatória, os personagens do jogo são pequenos, e menores ainda são os detalhes dos cenários, tudo salta nos seus olhos quando você está com o portátil na mão, ao tirar a primeira vez o jogo do modo TV, eu tive um espanto de “Ei! Os guardinhas tem até bigode, e eu não via isso!”, na TV é tudo expandindo dificultando um pouco a apreciação desses detalhes, o domínio que o olho tem dos cenários nesse modo é espetacular, se tiver com a versão de Switch em mãos, experimente!

Serial Cleaner é um jogo extremamente criativo, e sincero acima de tudo, entrega muito bem a sua proposta!

Mais do que recomendado!

Nota final: 8/10