[Especial] Os games de Edmund McMillen

A indústria de games não é fácil, fazer parte e arte nela é algo que poucos alcançam, e nem sempre a plenitude de lançar títulos nas lojas digitais faz com que se trabalho esteja completo. Por tudo isso, não é de se espantar que Edmund McMillen seja uma referência para muitos estudantes e desenvolvedores independentes que visam os céus em plataformas como Steam, Xbox, PlayStation e Nintendo.

Nascido em março de 1980, o residente em Santa Cruz na Califórnia conseguiu chamar a atenção da disputada indústria com Super Meat Boy ao lado de Tommy Refenes, relacionamento que pode ser visto no documentário Indie Game: The Movie. A partir daí, seus trabalhos – sempre pessoais – passaram a ganhar mais renome e olhares atentos de jogadores e da mídia. Hoje, McMillen é casado com Danielle McMillen e ainda trabalha de forma independente.

Vamos conhecer seus principais games:

GISH (2004)
Desenvolvido pelo estúdio Cryptic Sea com McMillen ao lado de Alex Austin e Josiah Psciotta, o game é um plataforma lateral cheio de desafios e humor negro. Jogamos com Gish, uma bola de piche que após ver sua namorada humana Brea ser capturada decide seguir para o subsolo regatá-la.

SUPER MEAT BOY (2010)
Ao lado de Tommy Refenes, Edmund McMillen desenvolveu esse já clássico game indie. Aqui, mais uma vez a premissa é a de resgatar a amada, mas o diferencial é que jogamos com um pedaço de carne em desafios desesperadores e empolgantes ao mesmo tempo. Quando foi lançado, Super Meat Boy alcançou inúmeras marcas em plataformas de stream, pois muitas pessoas adoravam tentar passar seus desafios insanos ao vivo.

THE BINDING OF ISAAC (2011)
Talvez o game mais icônico de McMillen. Além de possuir todo o estilo artístico icônico do desenvolvedor, Isaac mexe com temas profundos e ainda oferece um senhor desafio mesmo para os fãs do gênero rogue-like. A história parte de quando a mãe de Isaac começa a ouvir a voz de Deus exigindo um sacrifício que prove sua fé, o menino foge para o porão enfrentando um turbilhão de inimigos transtornados, irmãs e irmãos desaparecidos, seus medos e mais cedo ou mais tarde a sua própria mãe. Ele é um shooter com uma pegada de The Legend of Zelda e é maravilhoso.

THE BASEMENT COLLECTION (2012)
Uma compilação com nove games vencedores de prêmios. O pacote ainda contém bônus como arte e novas músicas. Os títulos inclusos são: Aether, Time Fcuk, Spewer, Meat Boy ( o protótipo de Super Meat Boy), Grey Matter, Coil, e Triachnid.

FINGERED (2015)
Desenvolvido ao lado de James Id, Fingered é um game no estilo “quem foi?” onde precisamos prestar atenção nas evidências e palavras para apontar o culpado, o criminoso, o sapequinha. É um jogo simples, mas que demanda muito foco do jogador.

THE END IS NIGH (2017)
Mesmo possuindo muitas semelhanças com Super Meat Boy, The End is Nigh traz elementos próprios que o difere do seu irmão mais velho. O desenvolvimento foi de McMillen com Tyler Glaiel. Na história, jogamos com Ash, um dos últimos seres vivos após o fim do mundo. Ele só quer fazer amizades, e para isso percorre fases complexas onde a morte é iminente. Ah, além disso coletamos fitas de videogame e tumores.

THE LEGEND OF BUM-BO (2019)
Uma prequel para The Binding of Isaac com elementos de rogue-like. Só isso já seria o suficiente para chamar a nossa atenção, mas em The Legend of Bum-Bo é adicionado um card game e uma arte toda feita de papelão. Na aventura coletamos dezenas de itens que podem ser transformados e adicionados a nosso arsenal para realizarmos combos completos e seguirmos em frente na busca pela moeda perdida do protagonista.