[REVIEW] – Not For Broadcast

“A mídia manipula você”: com toda certeza você já leu essa frase em diversas ocasiões, possivelmente algumas vindas da própria mídia. Mas e se o responsável pela manipulação das informações fosse justamente você? Not For Broadcast, o novo jogo da desenvolvedora NotGames e distribuído pela tinyBuild, nos coloca no lugar de um funcionário da emissora local de televisão que por alguma razão foi escolhido para assumir as funções do editor que decidiu aproveitar as férias por mais tempo.

Ambientado nos anos 80, você se torna o responsável por levar ao público o conteúdo televisivo ao vivo: saindo de sua obrigação de faxineiro para o comando de um enorme painel de controle, sua função passa a ser fiscalizar 4 câmeras diferentes em um telejornal britânico. Não bastando as dificuldades de assumir um novo posto, o cenário político do país não colabora: um novo governo autoritário e extremista chegou ao poder e, mais do que nunca, cada escolha de conteúdo afeta a audiência e seus pensamentos.

A princípio Not For Broadcast não parece difícil: escolher fitas VHS para veicular comerciais, focar a câmera entre repórter e entrevistado… Nada demais, certo? O verdadeiro encarregado da edição, por sorte, orienta o jogador durante o primeiro capítulo, garantindo que a audiência não se entedie assistindo a um cineasta fingindo ser um ídolo cult em uma entrevista. No entanto, este é apenas o começo de uma jogatina que colocará seu cérebro em pane em vários momentos.

Logo de cara percebemos que as transmissões testam a capacidade de ser multitarefas: ao mesmo tempo que escolhemos o melhor ângulo de câmera para cada momento de uma conversa, precisamos censurar palavrões, impedir interferências no sinal, garantir os melhores comerciais e, claro, tudo isso com o incrível intervalo de 2 segundos entre o acontecimento e a transmissão, que você acompanha em outros dois monitores no painel.

Fora do estúdio, a questão política está pegando fogo e afetando a história contada naquele painel cheio de botões coloridos. Um dos primeiros testes que o jogador em Not For Broadcast passa envolve a visita de um parente pedindo seu passaporte emprestado para poder correr do país com a sua fortuna acumulada, já que não poderia fazer isso com seu próprio documento – o jogador tem a opção de aceitar ou negar o pedido, trazendo consequências para a própria vida.

Apesar da gameplay não ser extremamente emocionante, o jogo tem potencial de prender a atenção contando a história da ascensão de um governo radical ao poder e como as massas serão afetadas por um universo onde até os comerciais devem ser autorizados pelos políticos. Você, enquanto responsável pelo estúdio, deve escolher: abaixar a cabeça para o governo e manter sua vida em ordem ou veicular o que gostariam de censurar e sofrer as consequências?

Not For Broadcast está em acesso antecipado na Steam com os primeiros três capítulos já lançados, além do prólogo disponível para teste gratuito.

Nota Final: 7.5/10

*Análise feita com código cedido pela distribuidora