[Review] Cat girl Without Salad: AMUSE-Bouche

Cat Girl Without Salad-Amuse Bouche é um caso raro de piada de 1° de abril de 2013, que acabou virando um jogo real para PC em 2016. E curiosamente, exatamente no dia 1° de abril de 2020, o game chegou pela primeira aos consoles através dessa versão de Nintendo Switch.

Vamos ver aqui o quanto ainda nos surpreende jogar o game mais louco da WayForward.

Cat Girl Without Salad é um jogo arcade, shoot em’ up, no estilo clássico de rolagem lateral, possuindo ao todo 3 fases, que ao serem completadas mostram sua pontuação em cada uma.

Na aventura você controla Kebako, uma caçadora de recompensas espacial, que vestida de orelhas de gatos e junta a seu companheiro Squiddie, parte atrás dos mais procurados vilões da galáxia. Nada tão elaborado para uma história, mas será mesmo que esse é um jogo a se preocupar em ter uma história narrativa a sério assim? De todo modo, os diálogos são ótimos, divertidos, e farão você compreender algumas intenções de alguns vilões ou apenas rir com o que acontece. Vale aqui dizer que a dublagem é excelente. O jogo está totalmente em inglês, até mesmo nas legendas. Os diálogos ocorrem direto, até mesmo em meio a tiroteios, você pode se complicar um pouco ao ter que atirar e ler as legendas ao mesmo tempo caso queira compreender o que está rolando.

Os gráficos são bem feitos, inimigos bem coloridos e bem desenhados, alguns fofos, outros bizarramente fofos. É tudo extremamente colorido no mundo de Cat Girl Without Salad. É verdade que me incomodou um pouco a Kebako permanecer sempre parada de maneira estática ao atirarmos ou pegarmos power-ups, faltando algumas animações a ela.

Os cenários como esperado sempre se passam no espaço, são bem agradáveis. Hambúrgueres e pizzas aparecem nas fases, para recuperar suas energias. As músicas do jogo transmitem bem a vibe: são extremamente animadas. Mas se fosse só isso, Cat Girl Without Salad seria apenas mais um jogo normal, e convenhamos, “normal” não é a melhor maneira de defini-lo.

A jogabilidade é onde o game chama a atenção, primeiro porque tudo é bem fluído. E segundo, vem os power-ups, ao encontrar cartuchos voando no espaço você pode conseguir um novo tiro para sua arma. Os cartuchos podem vir com diversos tiros diferentes, que homenageiam um gênero de jogo:

RPG Gun: Faz sua arma virar um menu de RPG, podendo usar cura, magia, correr ou atacar,

Arcade Gun: O tiro da sua arma vira um bichinho com aparência similar ao Pac-Man, podendo se deslocar por toda a tela.

Platformer Gun: Seu tiro vira um personagem 8 bits de jogos de plataforma que corre e pode pular pra acertar inimigos.

Sports Gun: Para representar os jogos de esportes seu tiro vira um taco de golfe, a direção da bolinha dependerá de onde ele estará inclinado ao apertar o botão de tiro. Elas ficaram ricocheteando pela tela toda do cenário.

Puzzle Gun: Seu tiro vira uma bolinha similar aos de jogos de puzzle, como no clássico Bust-a-move, a função é juntar 3 cores iguais, como isso todos os inimigos da tela se explodem.

Dance Gun: Com certeza o tiro mais difícil de dominar, o projétil vira algo similar aos comandos de um jogo de dança em que temos que apertar o botão correto, enquanto desliza uma tela de comandos.

O jogo é bem curto, com um pouco mais de 1 hora de jogatina eu consegui terminar as 3 fases.
Colhendo todos os tiros possíveis e terminando a aventura, você libera um modo de troca de armas, em outras palavras, você não precisa mais ter que pegar o cartucho específico para ter o power-up que espera, basta apertar um botão que poderá trocar para a arma que deseja. Isso contribui para o replay do título, e pode, assim, melhorar sua pontuação. Esse detalhe também facilita para dominarmos melhor uma arma que antes tivemos dificuldades (o tiro de dança, no meu caso), usando-a desde o início.

Cat Girl Without Salad é um jogo divertido, sem medo nenhum de ser bizarro. É uma aventura que não se leva a sério desde o seu início, é um game que você tem que estar preparado para ver de tudo, inimigos loucos, bizarrices aparecendo sem medo de serem bizarras (tem uma hora que fui atacado por… camisetas!!!)

Pode decepcionar quem espera algum  shoot em’ up tradicional demais. Esse é um jogo animado, excêntrico quando quer ser, fofo quando quer, mas com ótimo carisma no geral. Essa é uma jogatina onde você tem que estar preparado para encontrar de tudo… menos salada, claro.

Notal final: 7/10

*análise feita com código cedido pela distribuidora