[REVIEW] Slayin 2

Após o sucesso do primeiro Slayin (lançado para dispositivos móveis), a equipe da  Pixel Licker junto a publisher FDG Entertainment, trazem agora a tão esperada sequência, dessa vez chegando exclusivamente para o Nintendo Switch..

A fórmula de Slayin 2 é, em resumo, você derrotar as forças maléficas das trevas, enfrentando-os na forma de hordas e mais hordas de inimigos, a batalha pode ser jogada só, ou junto a um amigo para um coop local.

De forma simples e direta, Slayin 2 é o mais puro sabor de um jogo arcade.

Entrando no modo história você logo se vê deparado com um único mapa central, onde se passará o jogo todo, são encontrados aqui as fases (que vão se abrindo conforme o seu progresso), e uma cidade. Essa é basicamente o pólo central da sua aventura, o lugar onde você terá que reestruturar comércios, recrutar novos aliados (são 8 personagens desbloqueáveis no total), conseguir comprar relíquias de encantamentos que te auxiliam nas batalhas, comprar armas, upar armas, aumentar sua barra de energia para ataques especiais, e até descobrir alguns segredos ocultos no local. Enfim, já fica claro que a cidade é onde você estará constantemente voltando para ir evoluindo na aventura.

Apesar de ser entitulado de “Modo História”, o jogo não tem exatamente o cuidado de nos explicar bem essa narrativa, restando apenas alguns diálogos na cidade e tal. Na verdade o melhor texto descritivo da história,  aparece no final do jogo mesmo.

As fases passam por diversas temáticas, como florestas, cavernas, deserto, montanhas, castelo, vulcões. Apesar de ser claro o tema medieval por toda a aventura, não pouparam variedades de cenário. O mesmo vale para os inimigos, dificilmente eles se repetem nas fases, e muitas vezes trazem sempre novos padrões de ataques, dificultando nossas vidas. A variedade de adversários é grande, e como se não bastasse, ainda existe um chefe final pra cada estágio.

Os estágios se passam em uma única tela fixa, com dois planos, o da parte de cima da tela, e o da parte de baixo, para mudar de um plano para o outro basta um toque do botão R. Ao entrar numa fase você logo se depara com um número exigido de inimigos que deverão ser abatidos, para só assim poder enfrentar o chefe. A cada inimigo derrotado o número vai diminuindo, sua função é zerar esse número, não existe um tempo para se fazer isso, apenas lute. Nas primeiras fases você deve aniquilar 90 inimigos, mas em fases mais avançada você se depara com hordas em que terá que derrubar 200.

Vale lembrar que alguns inimigos dropam itens para te ajudar, seja invencibilidade temporária ou chaves, que servem para abrir baús que surgem no meio do cenário, eles sempre trazem muito dinheiro e até comida para repor energia.

O sistema de dois planos contribui mais ainda para uma boa jogatina em coop, já que ao invés de um único jogador ter de ficar se alternando entre eles, cada um ficaria num único lado, sempre que possível.

A jogabilidade de Slayin 2 é simples, mas que leva um pouco de tempo para adaptação, calma, eu explico: Visando primeiro nosso personagem inicial, seu controle é feito apenas movendo para os lados e pulando, se um inimigo vem em sua direção, basta você ir de encontro que ele será derrotado, não vale ficar parado, tem que apertar o direcional para frente ou trás que o personagem empunha a espada e atinge os inimigos. O mesmo vale para oponentes que voam: apenas pule, da forma que a ponta da espada o acertará. Existe também um golpe especial, que pode ser feito conforme você derrota inimigos e enche sua barra, usando esse ataque o personagem faz um corte forte e derrota vários inimigos próximos.

A parte de necessitar de tempo a adaptação vale para os outros personagens, pois muitos são de aspectos bem diferentes do nosso herói inicial, mudando completamente o jeito de jogarmos. Os novos personagens a ser desbloqueados se assemelham à classes dos jogos de RPG, (arqueiro, mago, cavaleiros, etc), existe uma personagem que é especialista em bombas, com uma jogabilidade totalmente diferente, focada mais em combate a distância e possui habilidade de desviar-se no ar. Aliás, cada personagem possui também, uma habilidade especial.

Eu terminei o modo história, e me foquei em dominar bem dois personagens, o nosso cavaleiro inicial e essa lançadora de bombas, dado ao número de fases (terminei o jogo abrindo 20 fases ao todo), eu acho que no final era “muito personagem, para poucos estágios”. Veja bem, eu não consegui nem upar ou comprar todas as armas disponíveis de todos os personagens, não consegui nem comprar todas as relíquias, e a campanha já tinha acabado. As coisas são caras de se abrir na cidade, até seus novos aliados devem ser pagos para aceitarem entrar no seu time, você ganha sim uma boa grana se terminar uma fase, mas se morrer, você recebe pouca parte das moedas que tinha até aquele momento.

Eu acho que poderiam ter “enxugado” um pouco a quantidade de algumas dessas coisas, e deixar o jogo menos disperso. Mas o gênero rogue-like/rogue-lite tem dessas coisas.

Em um momento consegui um cavaleiro de lança, fui jogar com ele e fiquei perdido quando vi que ele lançou a lança, e ela ficou enfincada no chão, e eu percebi que teria que ir lá pegá-la novamente, até eu fazer isso já tinha perdido muita vida. Caso queira conhecer um personagem vá para a cidade e comece a entender o possível sobre ele, testando os comandos lá mesmo, pois se for deixar para conhecer um personagem numa fase, o lado frenético das hordas vai te descontrolar. A minha dica é, se foque em ter dois personagens pra jogar bem, que você tenha segurança em jogar.

Falando nisso, a dificuldade é outro ponto a se destacar, pois existem alguns estágios bem difíceis, com inimigos trazendo um padrão de ataque altamente inesperado, e enquanto você o acerta, há mais outros inimigos ao mesmo tempo te alcançando. Slayin 2 é um jogo que te força a rejogar e decorar padrões, seja dos inimigos ou dos próprios chefes. Não vejo isso como um ponto negativo, eu fui fisgado por essa fórmula, é bem recompensador quando vencemos a fase, eu ficaria bem decepcionado se tivesse que dizer aqui que terminei o jogo sem dificuldade nenhuma, ainda bem que não foi assim. Mas, eu creio que jogadores que esperam uma pegada mais casual, podem se frustar demais. Não existe escolha de dificuldade, ela já é a do próprio jogo mesmo.

A parte gráfica é um espetáculo, feito inteiramente em Pixel Art é, com certeza, uma das mais bonitas que já vi, muito bem detalhado (preste atenção na cidade toda), inimigos com lindas animações, chefes também, desenho dos personagens, cenários e fundos belíssimos, tudo meramente bem feito… Enfim, uma pixel arte digna de ser elogiada.

A parte sonora também vale o destaque, inteiramente composta por Matt Creamer (do jogo “Retro City Rampage”), é o mais puro Rock n’ Roll, uma paulada! Se por um lado a temática medieval faz isso parecer um pouco bizarro, o lado frenético das hordas de inimigos fazem combinar 100% com a trilha sonora. Nota 10!

Slayin 2 é isso, trilha rock misturada com cavaleiros medievais, arcade misturado com toques de RPG… que se complementam.

E agora o modo Arcade, bom… aqui é onde Slayin 2 se mantém em sua raiz, com uma única vida você terá que passar por todos os estágios. A cada fim de tela a transição para o outro estágio é feito rapidamente. Mas claro, você poderá comprar itens ou upar a cada tela terminada. Os personagens que você libera no modo história são usados aqui.

É um modo que vai exigir bastante habilidade, recomendo terminar o modo história primeiro, e ficar “pronto” para encarar o modo Arcade. Pois é o modo que definitivamente te manterá bem ocupado e entretido.

Eu gostei bastante de Slayin 2, se procura por uma ação frenética, com uma boa pitada desafio, esse jogo será perfeito pra você.

Nota final: 8/10

* Análise feita com código cedido pela distribuidora