[REVIEW] 80s Overdrive

Caso você conheça alguns jogos de corrida desenvolvidos nas décadas de 1980 e 1990 para arcade, Super Nintendo ou Mega Drive, apostamos um café que ao bater o olho em 80’s OVERDRIVE você vai lembrar de alguns títulos como Out Run, Top Gear ou Lamborghini American Challenge.

Originalmente lançado para Nintendo 3DS em 2017 e mais recentemente para Nintendo Switch, inclusive esta análise é baseada nesta versão, 80’s OVERDRIVE tem a proposta de trazer as boas vibrações dos games antigos com visual, jogabilidade e músicas que remetam às décadas passadas.

Ao iniciar a jogatina você começa a campanha e há três perfis vazios para você optar, escolhendo um, entra-se numa tela onde há diversos avatares para selecionar e também editar o nome do seu piloto. Todas essas escolhas podem ser modificadas quando o jogador quiser ao acessar o menu de seleção de perfis.

Logo em seguida vem a escolha do carro, a princípio apenas a compra de um veículo é possível devido ao seu orçamento e é possível fazer algumas customizações gratuitas: pintura de carro e mudança de câmbio (manual ou automático). As demais atualizações e compra de novos veículos são possíveis com a obtenção de dinheiro arrecadado com as corridas.

Há três modos de jogo em 80’s OVERDRIVE: Career Mode, Time Attack e Level Editor. No Career Mode, o objetivo é ficar em primeiro lugar na disputa com outros competidores. Há um mapa no qual o jogador movimenta uma mãozinha, lembrando bastante o acessório de NES, o Power Glove, como se fosse um ponteiro de mouse, e ali você indica qual disputa quer. As provas abertas são simbolizadas por estrelas na cor amarela, as corridas em vermelho ainda são inacessíveis e se tornam amarelas com determinadas vitórias. As estrelas de cor azul representam as provas já disputadas. Quando se chega em primeiro lugar, a cor da estrela muda para verde, é possível enfrentar novamente as corridas de estrela de cores verdes para ganhar dinheiro.

Ao escolher uma corrida, é preciso ter dinheiro para participar dela, mesmo se for repetida. Caso o jogador não tenha valor suficiente para sua inscrição, abastecer o tanque de combustível ou reparar danos no veículo, o seu personagem será obrigado a passar pela humilhação de ter de limpar os carros de pelo menos um adversário, e ele irá lhe dar um pouco de dinheiro em troca do serviço.

Eventualmente, um sujeito misterioso irá fazer algumas propostas para você obter um ganho extra, são missões como coletar itens durante a corrida, chegar na frente de um determinado piloto, perder uma prova, causar danos ao veículo de um adversário, enfim, são tarefas que geralmente rendem uma boa grana, mas que às vezes podem não valer a pena.

Ao terminar uma corrida, o jogador pode reabastecer o seu veículo, repará-lo e efetuar melhorias: Engine (motor), Steering (controle) e Bumpers (pára-choque), ter Nitro extra, que passam a ser duas por corrida, e Radar, o qual falaremos a seguir. Melhorias realizadas em um carro não são compartilhadas com os outros que você tem.

Em algumas corridas em 80’s OVERDRIVE, o jogador pode se deparar com uma viatura policial, há uma atualização em seu veículo chamada Radar, com ela é possível localizar quando seu carro se aproxima de um carro da polícia, ao passar por ele, uma perseguição é iniciada e por três tentativas, a viatura irá ultrapassá-lo, às vezes até passando por cima, e irá frear bruscamente, obrigando-o a desviar. Caso o seu carro bata em algo e fique parado por muito tempo, você é preso e multado, sendo obrigado a perder um bom dinheiro antes de prosseguir a prova.

Perda de dinheiro automática ocorre também quando os danos em seu carro chegam a 100% ou seu combustível acaba, você é obrigado a pagar o conserto ou reabastecimento com o que tiver disponível e assim prosseguir na corrida, se assim o quiser.

Fica aqui uma dica: caso seu carro sofra muitos danos, foi multado ou fique numa colocação muito ruim, ao invés de desistir da corrida e ter de pagar uma nova inscrição, reinicie a corrida no menu que aparece ao se pausar o game, com isso os riscos de perdas financeiras diminuem quase à zero. Dizemos quase à zero, pois eventualmente algum reparo no veículo e reabastecimento será necessário depois da disputa.

Em Time Attack, o objetivo deste modo é ver o quão longe o jogador consegue ir. É um modo de jogo que lembra o clássico Out Run, o jogador vai escolhendo a rota por qual quer seguir e deve percorrê-la num determinado tempo até chegar ao próximo checkpoint para renovar o contador. Para ajudar a aumentar um pouco o tempo disponível, seu carro ao se aproximar de qualquer veículo e dependendo da distância, pode se ganhar de 1 a 3 segundos extras, o que ajuda a estender o cronômetro.

No Level Editor, podemos criar pistas do jeito que quiser, podendo escolher o tema, mexer na distância, inserir curvas, número de carros na pista, com ou sem a presença de viaturas entre outras opções. Daí é só escolher um nome bonito e compartilhá-la com outros jogadores através de um código que é gerado ao salvá-la.

A jogabilidade em 80’s OVERDRIVE é bem simples, movimentação do veículo para direita e esquerda no D-pad ou no analógico esquerdo, o botão A acelera, o B é freio, o X é nitro e o + pausa o game. Caso você opte pelo câmbio manual, o R aumenta a marcha e o L diminui. Os botões ZL e ZR mudam as músicas durante a corrida.

Para nós, o maior ponto negativo do game é o controle do veículo, em situações em que a pista é estreita, três faixas, fazer as ultrapassagens de qualquer veículo, principalmente dos carros comuns, é um sufoco. Mesmo com a melhoria de Steering no máximo, achamos bastante complicado controlar qual a distância necessária para uma ultrapassagem segura.

A maior dificuldade no game não são os adversários e nem a polícia, mas sim os outros motoristas que encontramos na pista, é bastante comum um condutor que se encontra no lado mais extremo da estrada, de repente, atravessar todas as faixas para ir parar bem à sua frente, então é preciso estar bastante atento ao comportamento maluco deles.

Outra situação bastante comum é o veículo mudar para sua faixa quando você está se aproximando dele. Embora os choques com outros veículos não o façam perder muito tempo, em faixas mais extremas da estrada, faz com que percamos o controle do carro e somos jogados para fora da pista e batemos em algo, isso faz com que percamos muito tempo. Uma estratégia muitas vezes útil é passar por cima do canteiro central para pegar faixas menos congestionadas, você perde um pouco de velocidade, mas não há danos em seu carro.

Há um lado bom nas batidas, pois não é apenas você que é atrapalhado pelos carros e caminhões, mas também os seus adversários, não raras as vezes, é possível vê-los com emojis irritados com tamanha barbeiragem dos péssimos motoristas, é bom aproveitar esses momentos para fazer ultrapassagens.

Em 80’s OVERDRIVE, a desenvolvedora e publicadora Insane Code, utilizou gráficos pixelados feitos por Rafal Kemnitz. O jogo possui um visual bastante bonito, utilizando muitas cores de paleta vaporwave. Os cenários fazem uma simulação do efeito 3D da técnica Super-Scaler, utilizada em Out Run, por exemplo.

A trilha sonora é composta por músicas eletrônicas do estilo synthwave, ou retrowave dos compositores AceMan, Angst78, Karolis, VECTORWOLF, Vocoderion e Wolf and Raven. São boas músicas que fazem um bom casamento com o game. Outra referência a Out Run é a escolha da música antes das provas através do dial do rádio do carro.

Os efeitos sonoros são medianos, mas cumprem bem seu papel, por exemplo, o som dos motores dos carros são todos iguais, se houver alguma variação entre eles não conseguimos distinguir. O mesmo ocorre com os sons das batidas e as buzinas de todos os veículos.

80’s OVERDRIVE é um divertido jogo de corrida, porém é bastante curto e chega a ficar cansativo, pois as provas acabam se tornando repetitivas, principalmente as pistas mais extensas. Finalizar o Career Mode é relativamente simples, talvez a última corrida seja um pouco complicada, pois exige um pouco de estratégia e sorte. O Time Attack é um modo de jogo que enjoa depois de um tempo, pois a ausência de um objetivo melhor que o proposto acaba tirando a graça. Se o Time Attack tivesse um final, como um modo arcade, seria disparado o nosso preferido. O Level Editor é a maior interação que o jogador terá com outros gamers, pois o jogo foi desenvolvido para apenas um jogador. A ausência de outros conteúdos, como sistema de conquista, por exemplo, acaba tirando bastante o fator replay do título. 80’s OVERDRIVE é divertido enquanto durar a nostalgia do jogador.

Nota final: 6,5

*análise deita com código cedido pela distribuidora