[REVIEW] Gato Roboto

“Meu gato, minha salvação”

Parece exagero soltar uma frase dessa, mas de fato os pets possuem um lugar especial nos nossos corações, para muitos não há companhia melhor. Nessa aventura rabiscada pela Doinksoft, controlaremos um gatinho no cockpit de traje robótico (coméquié, Vagner?!). É meus caros, é isso mesmo! Partindo deste conceito, logo nos primeiros minutos e de maneira leve, o enredo com incrível facilidade te convence de que é possível.

Gato Roboto foi desenvolvido em 2018 e distribuído pela Devolver Digital para PCs. Em 2019 recebeu um port para o console Nintendo Switch e para Xbox One.

Durante uma patrulha, um piloto chamado Gary acompanhado da sua gata Kiki, recebe um sinal no radar vindo de um pequeno planeta. Intrigado, ele fornece as coordenadas para sua base que responde como sendo um possível sinal falso, pois está vindo de uma instalação muito antiga que está abandonada. Quando Gary inicia o procedimento de pouso, Kiki esbarra no painel fazendo com que ele perca o contato visual e a nave caia, o deixando preso nas ferragens. Por sorte, Gary ainda pode se comunicar com Kiki por uma colera inteligente pra que ela receba coordenadas e consiga o tirar dessa.

Claramente baseado em Metroid, Gato Roboto tem comandos familiares e progressão similar; Botão de pulo, tiro e alternar entre as armas, são suficientes para garantir a mecânica e fluidez conhecida do estilo. Além dos comandos básicos, o bichano contará com upgrades no traje robótico para que você possa alcançar outras áreas do mapa. Não trata-se de um jogo difícil, a maior dificuldade será encontrada nos chefões que com duas ou três tentativas você já assimila o padrão de movimentos.

Os gráficos são bem simples e em preto e branco, mas de um pixel art de dar gosto. Os diálogos possuem animações que enriquecem a trama e ilustram bem o que está acontecendo. Única coisa que atrapalhou (pelo menos para mim), foi a ausência de cores me confundir entre o que é cenário e o que é inimigo, algumas vezes tomei dano que normalmente eu não tomaria.

O ponto mais fraco fica por conta da trilha sonora. A música base para toda a jornada te coloca no clima do jogo mesmo sendo uma composição simples (praticamente duas notas soando constantemente com variações de frequência). Somente quando está em uma batalha contra um boss que a trilha sonora muda significativamente. Essa falta de variação me incomodou bastante, fazendo com que não haja mescla da memória visual com a sonora.

Gato Roboto é um jogo que indico para quem gosta de metroidvania mas não quer perder muito tempo; tiro rápido ou hit and run, se preferir. Porém nessas poucas horas em que você estiver jogando, irá se deliciar com a jogabilidade bem responsiva e dinâmica. Há a possibilidade do fator replay caso você queira completar 100% do game, mas nada que acrescente mais do que 1 hora à duração normal.

Nota Final: 8/10