[REVIEW] Saviors

Star Saviors, ou Saviors, é um shoot ‘em up com rolamento automático na vertical desenvolvido pela Sharpened Edge Studios e saiu para PC através do Steam em 6 de maio de 2016. Segundo a página, o título é fortemente influenciado por shmups como Ikaruga, Raiden e Radiant Silvergun.

A história do game se passa num futuro longínquo, onde a humanidade possui colônias espaciais e as viagens entre diferentes sistemas planetários se dão através de portões de dobra. Numa dessas viagens, os humanos fizeram contato com uma raça alienígena, e desde então há uma relação pacífica com os seres, inclusive deles fornecendo uma tecnologia muito avançada para os homens. Desconfiado dessa gentileza, um bilionário começou a construir secretamente sua própria tecnologia temendo um possível conflito com os alienígenas, e um dia seu medo se torna realidade quando a tecnologia deles se volta contra a humanidade.

Há três modos de jogo em Saviors: story, survival e arcade. No modo story o jogador pode escolher um entre três pilotos, cada um com sua nave de características próprias, e ao final de cada fase é possível fazer melhorias no veículo. No modo survival, não há upgrades, é mais focado na pontuação e até onde o jogador consegue chegar. No modo arcade, o jogador percorre as diversas fases sem história e com upgrade automático na arma que escolheu no início da partida.

Os comandos em Saviors são bastante simples, um botão para tiro, outro que muda parcialmente a direção do tiro, um botão para mísseis que possui uma quantidade limitada e o direcional que movimenta sua nave. O escudo em torno de sua nave se regenera automaticamente, recebendo um dano após a perda do escudo é morte.

O modo arcade foi o que mais joguei, seu sistema de pontuação consiste em manter o multiplicador no maior valor possível, para isso destrua continuamente seus inimigos. Algo que ajuda bastante para aumentar a pontuação é aproveitar a física do jogo para fazer com que algumas naves se choquem com outras provocando uma destruição em cadeia. Neste modo, fazer pontos implica diretamente na melhoria automática de suas armas.

Os gráficos de Saviors são todos tridimensionais, mas a jogabilidade é bidimensional, não é o meu tipo de gráfico favorito, mas não é extremamente feia. A variedade de inimigos é boa, inclusive com naves gigantes, faltou inspiração para o desenvolvimento de algumas deles, mas no geral são visualmente aceitáveis. O fato de ser 3D me incomodou um pouco na falta de impacto que os tiros possuem ao atingirem o seu alvo, principalmente os tiros laser, o visual ficou muito leve. Os cenários são diversificados, em alguns há obstáculos, o que traz uma variedade no gameplay.

Os efeitos sonoros são bons, mas o destaque vai para as músicas de Sauli Korhonen, são composições grandiosas mesclando guitarra com orquestras, algumas vezes há até coral. Fiquei com a impressão de que as músicas são melhores que o jogo em si.

Outras características de Saviors que eu ainda não mencionei: o game pode ser jogado em dupla em modo cooperativo, há uma tabela online com as pontuações dos jogadores, inclusive é possível baixar as partidas. Há quatro níveis de dificuldade, no normal já achei bastante complicado, principalmente nas telas finais.

Veredito

Para quem gosta de jogos de nave com uma pegada mais arcade vai gostar do modo dedicado a esse público, o modo história achei cansativo e não encontrei motivação para jogar o modo survival. O que eu acho que vale em Saviors são as músicas e o desafio de obter algumas conquistas, são cem no ttoal, porém existem algumas que estão além de minhas habilidades e paciência.

Saviors, cujo nome oficial é Star Saviors, entretanto não há qualquer indicativo sobre a inclusão de Star no nome, é um game de nave genérico e há opções melhores para jogar, na prática, pouco vi de Ikaruga, Raiden ou Radiant Silvergun. O título está custando R$ 1,95 e há duas trilhas sonoras, cada uma ao custo de R$ 2,19.