[REVIEW] SAVAGE HALLOWEEN

Savage Halloween é um game desenvolvido pela produtora brasileira 2ndBoss, lançado primeiramente na semana do Halloween de 2020 para a Steam, chega agora em 2021 numa versão para consoles, publicada pela QUByte Interactive. Testamos aqui a versão de Nintendo Switch.

Qual a história por trás de Savage Halloween?

Na Terra, todos os anos, existe a tradicional grande festa rave de Haloween, em que todos os monstros são convidados a voltarem a vida e participarem por exatas 24h da super festa. Após esse término, todos os monstros devem voltar para um portal e terem a sua sombria vida dos mortos de novo.

Mas dessa vez, ninguém voltou, o portal foi selado por um feitiço vindo de um vampiro maligno, que apenas quer ver o circo pegar fogo de vez e por isso deseja que a festa seja eterna. Afinal como ele mesmo diz no texto inicial do jogo:

“Por que só 24h? Trabalhamos 365 dias por ano fazendo maldade e só temos direito a UMA folga? Chega! Dessa vez a rave de Halloween não vai acabar!”

Com isso o caos no mundo é inevitável, monstros estão por todos os lugares!

Mas, afim de acabar com esse barraco todo, 3 dos convidados se revoltam e decidem se tornarem a resistência frente a todos, e acabarem com essa festa de uma vez por todas!

É ai que entra nossos 3 personagens.

James: Foi um fazendeiro bem mau humorado quando vivo, e agora, na vida após a morte, ele ainda é mau humorado, claro, mas conta com uma bela arma em suas mãos.

Lulu: O lobisomem do jogo, quer dizer…. Ele não tem certeza até hoje se é um homem que sonhou que era um cachorro, ou um cachorro que sonhou que era um homem.

Dominika: A querida filha do grande dito cujo, o Vampiro das Trevas que selou o portal! Ela é uma nerd assumida, que só entrou nessa briga porque quer voltar logo para o seu mundo sombrio, e assistir a quinta temporada de “Doctor Cave”, a sua série favorita.

Esses são nossos 3 personagens controláveis no jogo, cada um deles possuem caracteristicas que o diferenciam.

Lulu é o mais pesado, por isso é mais lento, tem um pulo baixo, pra compensar sua energia é mais duradoura. Dominika é a mais leve, portanto é rápida, pula alto, mas sua saúde afeta mais quando atingida. Possui ainda um ótimo planador que a ajuda a mantê-la no ar por uns segundos. James é o personagem mais equilibrado de todos, pois sempre precisamos de um desses.

James é com certeza o mais carismático, a turma da 2ndBoss acertou em cheio no visual do personagem, a ponto de fazer meu cérebro gritar desesperadamente por querer ver um bonequinho dele a venda. A vampirinha Dominika também está bem legal, e o Lulu, mesmo sendo o mais simples, também tem seu carisma. Pelas características vale a pena testá-los e ver com qual você se adapta melhor, lembrando que talvez em algumas fases você opte trocar por um deles em específico. Tem uma fase que em determinado trecho a rapidez era muito importante, fiz questão de usar a Dominika e foi certeiro, se atente a conhecê-los, vale muito a pena.

Savage Halloween é um jogo do gênero “Run n’ Gun“, lembrando clássicos de outrora como Contra, da Konami.

Começamos com um simples tiro tradicional, mas podemos achar pelas fases mais 5 novos tipos de tiros. Diferente dos jogos antigos do gênero, em que ao pegar um novo power up, o seu antigo é substituído automaticamente, sem volta, vamos coletando podendo serem trocados quando quisermos (usando os botões superiores L ou R), porém, os tiros são limitados, não é bom ficarmos atirando e gastando-os a toa. Claro, isso não quer dizer que é fácil ficarmos sem bala de um determinado power up, não é não, seria até frustante se fosse, existem muitos deles espalhados pelos estágios. Na verdade isso só me aconteceu em um chefe, em que gastei tanto um tipo de tiro e morri, ao voltar pra batalha com o continue, esse tiro já estava no fim e tive que me virar com outros. Outra dica: quando você achar um novo power up, a sua arma muda para ele, e se você não o quiser bem nesse momento, tem que trocar rápido usando os botões superiores, isso me atrapalhou em alguns trechos, porém o jogo deixa desabilitarmos isso nas opções. Dessa forma, mesmo achando um novo power up pra arma, só o usamos quando querermos trocar de tiro mesmo.

Os tiros dos power ups são bem…. bizarros! O tiro morcego é aquele espalhado, o tiro fantasma se concentra bem em determinada região da tela, tem o tiro bomba em forma de galinha, e acreditem, tem até um tiro sapo, em que você literalmente atira um sapo grande da arma.

A minha dica é, use bstante todos eles, se acostume, assim você saberá tirar vantagens em determinados trechos do jogo. Existe ainda uma bomba que podemos arremessar.

Savage Halloween possui no total 7 estágios, todos extremamente bem feitos, e digo isso pelo fato de nenhum deles soar cansativo, existem tantas variações ao longo do trajeto, que nos ajudam a sempre gostar de jogar cada estágio. Encontramos ótimas variedades, como trechos aquáticos, veículos, fases que usamos uma vassoura de bruxa pra voar, trecho que fugimos de uma longa bola de pedra que destrói o cenário… Colocaram até um trecho que homenageia uma fase clássica dos Battletoads. Enfim, acertaram em cheio na elaboração dos estágios, criatividade não faltou. Isso sem contar na temática que sempre cada um deles apresenta.

Vale lembrar que toda a campanha do jogo pode ser jogada em coop com um amigo.

Começamos com 3 vidas e temos também 3 continues para serem usados. Cada estágio que você concluir, o jogo salva, e assim você sempre começará desse check-point. Não pense que isso deixa tudo fácil, pois alguns trechos ou chefes ainda podem te desafiar bastante.

Aliás, um dos pontos altos do jogo são os sub chefes e chefes finais encontrados ao longo dos 7 estágios. São bem criativos, e cada um pedindo uma nova estratégia para vencermos. A variedade de inimigos ao longo do jogo também é muito boa, com cada estágio trazendo novos deles.

Savage Halloween tem um bom equilíbrio de dificuldade, com alguns certos trechos mais penosos, não o tornando nada massante de jogar.

E falando nisso, o jogo possui duas dificuldades, a NORMAL e a HARDCORE.

Na Normal temos direitos a levar tiros e só morrermos quando nossa saúde chegar no fim. Mas no Hardcore o bicho pega, levou um tiro, é morte na certa. Esse modo leva o jogo para a origem dos Run n’ Gun, e também entrega mais desafio para quem já terminou o jogo e quer encará-lo novamente.

Graficamente, o título cumpre bem o papel de trazer aquele ar retrô dos pixel art clássicos. É tudo bem desenhado e colorido, é um jogo bem vivo, gostoso de ver. As músicas também são bem legais, lembrem-se, estamos falando de uma festa rave né, então cada uma delas apresenta aquela aquela vibe bem pra cima, animadas, mas ao mesmo tempo combinando bem com cada estágio.

VEREDITO

Savage Halloween é um jogo delicioso de jogar, do início ao fim. Suas fases tem o tamanho certo para ficarmos preso e nos sertirmos desafiado a cada novo trecho. Eu fiquei tão encantado, que quando terminei senti aquele vazio tradicional de quando terminamos um jogo que gostamos tanto.

Todos da 2ndBoss estão de parabéns. Em Savage Halloween ele deram um passo gigantesco frente ao seu jogo de Run n’ Gun antecessor (Biolab Wars, temos review dele aqui no Indie On Brasil).
Ficamos agora na espera de qual a próxima que eles irão aprontar, confesso que estou muito empolgado desde já!

*análise feita com código cedido pela distribuidora